Melhores Destinos de Marrocos

Músicos Gnawa em Khamlia

Músicos Gnawa em Khamlia

Cada cidade marroquina tem imensos monumentos, locais históricos, palácios e mercados que valem a pena visitar. Nesta página ficam inumerados de uma maneira prática e fácil, todos os locais de mais interesse em cada uma das cidades marroquinas onde realmente há algo de interesse para visitar. Podemos assim dizer que esta página apresenta os melhores monumentos e locais turísticos de todas as cidades de Marrocos.

1-Cidade de Marrakech:

Visitar Marrakech

Visitar Marrakech


Fundada em 1062 pelo sultão Yossef Ibn Tachfin da dinastia almoravida. Marrakech foi a capital das dinastias Almorávida (1059-1147), Almóada (1147-1248) e Saadiana (1509-1659). Foi ainda segunda capital das dinastias Merínidas (1215-1465) e Alauita (1664 até o presente). Marrakech é uma cidade única no mundo. A sua medina antiga mistura arquitectura, comércio e um submundo de santos e praticas religiosas sufis.

Madraçal de Ben Youssef em Marrakech

Madraçal de Ben Youssef em Marrakech

O que visitar em Marrakech: Souk do Ouro, souk das frutas, Souk Semmarine (sandálias, babouches, jóias, puffs), Souk Ableuh (especiairias, azeitonas), Souk Kchacha (frutos secos), Bairro Judeu de Mellah, Sinagoga, Cemitério Judeu de Miaara, Curtumes de peles na Bab Debagh, Mesquita e Minarete da Koutoubia, Madraçal Ali Ben Youssef, Museu de Marrakech, Praça Jemaa el Fna, Palácio el Badii, Palácio Bahia, Jardim Majorelle, Jardim Menara, Palmeiral de Marrakech, Souk Haddadine (lanternas de metal, mesas), souk dos instrumentos musicais, Souk do tapetes, Museu Boucharouite, Ecomuseu Berbere, Maison de la Photographie, Estação de Comboios de Marrakech, Museu Maison Tiskiwin, Arsat Moulay Abdeslam Cyber Park, Souk Rahba Qedima (cestos, gorros de lã, especiarias, sabão de azeite, remédios naturais), Museu Dar Si Said, Oasiria Water Park, Porta Bab er Robb, Musee de la Palmeraie, Tumbas Saadianas, Jardin el Harti, Muralhas de Marraquexe, Fondation Omar Benjelloun, Musee de Bijoux Nawahi, Mesquita Ali Ben Youssef, Musee de l’Art de Vivre Marocain, Le Grand Casino de la Mamounia, Souk Mouassine, Koubba Almorávida, Souk El Khemis, Mosquee Sidi-bel-Abbes, Fonte Chrob ou Chuf, Palácio de Congressos, Jardim Agdal, Palácio Real, Souk Siyyaghin (jóias, ouro), Souk Smata (babouches, cintos), Porta Bab Agnaou,

2-Ksar de Ait Benhaddou:

Visitar Ait Benhaddou

Visitar Ait Benhaddou

Ait Benhaddou fica no vale do Ounila a sul de Télouet e a norte de Ouarzazate. O Vale de Ounila era um ponto de passagem tradicional para caravanas ligando Marrakech com Sijilmassa (moderna Rissani) e Timbuktu no Mali. O Ksar de Ait Benhaddou está inscrito na Lista de Património Mundial da UNESCO. Hoje em dia esta aldeia construída inteiramente em arquitectura de adobe (mistura de barro e palha) vive do turismo.
Ksar de Ait Benhaddou em Marrocos

Ksar de Ait Benhaddou em Marrocos

A aldeia tem um conjunto de edifícios de barro cercada por muros altos, chamado de Ksar. Corresponde a um habitat tradicional pré-saariano. As casas (chamadas de casbahs) são reforçadas com torres e aglomeram dentro das muralhas proporcionando uma paisagem linda.

O que visitar em Ait Benhaddou: atravessar o rio, subir a montanha, pôr-do-Sol no topo da aldeia, visitar várias casas museus dentro da aldeia, almoçar comida típica “chez l’habitant” num terraço com vista para a aldeia. O ksar tem vários locais onde se pode dormir em casas típicas. Pode ser uma experiência interessante.

3-Dunas de Erg Chebbi:

Visitar Erg Chebbi - Merzouga

Visitar Erg Chebbi – Merzouga

Dunas de Erg Chebbi, mais conhecidas como Dunas de Merzouga, é um segundo maior erg (conjunto de dunas) do Deserto do Saara de Marrocos. Estas espetaculares dunas de cor laranja estão entre os mais bonitas paisagens ​​de todo Marrocos. A maior dunas chega aos 170 metros de altura. As Dunas de Erg Chebbi estender-se entre o Vale do Ziz e a fronteira argelina. A cidade de Rissani – antiga Sijilmasa era parada obrigatória de caravanas trans-saharianas entre Marrakech e Timbuktu no Mali.

Dunas de Erg Chebbi

Dunas de Erg Chebbi

O que visitar nas Dunas de Erg Chebbi: aldeia e oásis de Hassilabied, aldeia e oásis de Merzouga, músicos Gnawa na aldeia de Khamlia, Dunas de Iqri, aldeia de Tisserdmine, flamingos rosa no Lago de Merzouga, Lago Yasmina, mercado de Merzouga, sandboard nas dunas, excursão em dromedário, subir ao topo das duna mais alta em Merzouga, visitar o Depôt Nomade, planalto negro de cobalto vulcanico da Hamada du Ghir.

4-Cidade de Fez:

Visitar Fez

Visitar Fez

Fundada entre 789 e 809 pelo sultão Idris I da Dinastia Idríssida. Foi então capital das dinastias marroquinas Idríssida, Merínidas, Oatácidas e também da dinastia Alauitas. Fez é uma cidade fantástica, um regresso ao passado. A sua medina antiga é a cidade medieval mais bem preservada de todo o mundo islâmico. Fez a capital espiritual e cientifica do império Xerifiano. Fez é uma das cidades sagradas do mundo Islâmico.

Cidade de Fez

Cidade de Fez


O que visitar em Fez: Bab Boujloud, Madraçal Bou Inania, Túmulos Merenidas, Santuário de Moulay Idriss I, Biblioteca Qaraouyine, Mesquita al-Tijani, medina antiga Fes el-Bali, souk Attarine, Jardin Jnan Sbil, Musee des armes, Bairro Moulay Abdellah, curtumes de couro Chaouwara, Museu Nejjarine, Palácio Glaoui, Fonte Nejjarine, Sinagoga Aben Danan, Palácio El Mokri, Fundação Kassr Annoujoum Ducci, Madraçal Cherratin, Museu Dar Batha, muralhas, Zaouia of Moulay Idriss II, bairro judeu Fez Mellah, cidade nova Fes el-Jdid, Fortaleza Borj Nord, Madraçal Sahrij, Mesquita Andalusa, Fondouk Tsetouanien, Cemitério judeu e Sinagoda Habarim, Dar el-Makhzen, Souk Henna, Festival Moussem de Moulay Idriss.

5-Cidade de Essaouira:

Visitar Essaouira

Visitar Essaouira

Essaouira é uma cidade histórica pintada de branco e azul, batida pelas vagas do Oceano Atlântico. Ponto de inspiração para inúmeros artistas famosos, a cidade capital do vento de Marrocos é o local ideal para desportos como wind-surf a kite-surf. Os seus visitantes podem explorar o souk de Essaouira, comer peixe grelhado nos restaurantes junto ao porto, descobrir os recantos e ruelas da medina antiga, passear pelas muralhas e pela skala. A cidade de Essaouira situa-se a Oeste de Marrakech.

Essaouira Marrocos

Essaouira Marrocos

O que visitar em Essaouira: Medina de Essaouira, porto, souks (mercados), praias, muralhas, leilão de peixe de Sábado de manhã no porto, Festival de Músicas do Mundo de Essaouira (Junho), kitesurf, windsurf, Skala, Mausoléu de Sidi Megdoul.

6-Cidade de Ouarzazate:

Visitar Ouarzazate

Visitar Ouarzazate

Fica no sul de Marrocos entre o Alto Atlas e o deserto do Saara. É por isso chamada de “porta do deserto”. A cidade é o ponto de partida para as tours no deserto e para a rota dos 1001 casbás. A região à volta de Quarzazate oferece paisagens exuberantes com os casbás de cor ocre, camuflados na paisagem árida das montanhas e, com verdadeiros oásis de palmeirais a seus pés. O vale do Drâa e de Dadés, com grandes desfiladeiros são mais uma das grandes atracções de Quarzazate. A singularidade da sua paisagem serviu de cenário a muitos filmes, alguns deles históricos como o Lawrence da Arábia, a Múmia ou o Gladiador entre muitos outros. Aqui fica a sede dos estúdios Atlas Corporation e também um museu do cinema.

Ouarzazate Marrocos

Ouarzazate Marrocos

O que visitar em Ouarzazate: Casbah Tifoultoute, Casbah des Cigognes, Casbah Taourirt, Museu do Cinema, Estúdios de Cinema Atlas, Estúdios de Cinema CLA, mercado de Domingo (souk), Lago Ehdabi el-Mansour, Oásis de Fint, cenário perto de Tifoultoute, bairro típico de Taourirt, bairro típico de Tassoumaat, Ksar de Ait Benhaddou.

7-Vale do Dades:

Visitar o Vale do Dades

Visitar o Vale do Dades

O Vale do Dadés fica a Nordeste de Quarzazate. Partindo de Quarzazate em direcção a Boumalne iremos percorrer o vale do Dadés com paisagens de cortar a respiração. No interior do vale corre o rio Dadés que alimenta os oásis que se destacam na paisagem árida da região. Estes terrenos férteis são a base da subsistência das populações que vivem nos casbás, construídos nas encostas das montanhas. Na zona em que o vale é ladeado por altos rochedos que criam um labirinto estreito, estamos no desfiladeiro Gargantas do Dadés, assim chamado por parecer realmente que vamos ser engolidos pelas paredes de rocha.

Vale do Dades Marrocos

Vale do Dades Marrocos

O que visitar no Vale do Dades: Gargantas do Dadés, Vale das Rosas, Festival das Rosas em Kelaat-M’Gouna, estrada de Tissadrine, café mirador Timzzilite (com vista para a estrada de Tissadrine), Jbel Saghro, Vale dos Figos (La Vallée Des Figues), Vale das rochas Dedos de Macaco (Doigts des singes).

8-Cidade de Chefchaouen:

Visitar Chefchaouen

Visitar Chefchaouen

Xexuão em português, esta cidade é um cartão postal de Marrocos, as imagens das suas ruas azuladas são chamariz de muitos roteiros turísticos do país. A cidade cresceu a partir de um forte que ali foi construído para defender o território das invasões dos portugueses. Chefchaouen é considerada uma cidade sagrada no Islão e só foi aberta a visitantes ou habitantes não muçulmanos, no século XX, quando se tornou refugio de exilados espanhóis e judeus. A cor azul das suas casas provêm de uma tradição do povo judeu que ai viveu, tradição essa que se mantem até hoje.

Chefchaouen Marrocos

Chefchaouen Marrocos

O que visitar em Chefchaouen: Medina (cidade antiga), Praça Uta al- Hammam, Mesquita Yamma el Kebir (com único minarete octagonal em todo o mundo), Ras el Maa (cascata onde as mulheres lavam a roupa), o forte.

9-Cidade de Rabat:

Visitar Rabat

Visitar Rabat

Fundada em 1150 pelo sultão Abd al-Mumin da dinastia almohada. Apesar de ter sido alargada pelo sultão Yaqub al-Mansur, Rabat só foi inserida na lista de cidade imperial com o sultão Mohamed III. Foi então no século XX que Rabat foi de novo a capital do Reino até aos dias de hoje. Rabat é uma cidade histórica incrível com imensos monumentos que deixam inveja a outras cidades mais conhecidas de Marrocos. Apesar de passar um pouco despercebida, Rabat tem charme, história e a sua própria autenticidade.

Rabat Marrocos

Rabat Marrocos

O que visitar em Rabat: Necrópolis de Chellah, Torre Hassan II, Mausoléu Mohamed V, medina, Casbah de Oudaias, Avenida do Parlamento, edifício do Banc al-Maghreb e edifício da Poste du Maroc, Salé.

10-Vale do Draa:

Visitar o Vale do Draa

Visitar o Vale do Draa

O vale do Draa fica a sul de Quarzazate, às portas do deserto do Saara, por isso foi durante séculos ponto de passagem das caravanas que atravessavam o deserto. Por este vale corre o rio Draa, o maior da Argélia e Marrocos, no entanto, parte do seu percurso é feito por via subterrânea. Ao longo do leito do rio formam-se os oásis e crescem grandes palmeirais que fazem esta região rica em tâmaras. Nas encostas amontoam-se os casbás com o seu tom avermelhado.

Draa Marrocos

Draa Marrocos

O que visitar no Vale do Draa: castelos (ksours), casbás, Tamegroute (antiga capital dos primeiros povoadores de Marrocos), Ksar Tissergate, Zagora, Mhamid, Dunas de Tinfou, DUnas de Chigaga.

11-Cascatas de Ouzoud:

Visitar as Cascatas de Ouzoud

Visitar as Cascatas de Ouzoud

Ficam entre o Alto e o Médio Atlas e são a maior queda de água em Marrocos, com 110 metros de altura. O seu nome, que significa azeitona, advém do grande olival que ladeia a piscina formada pelas águas da cascata. Ao pôr-do-sol é frequente surgir um arco-íris sobre a cascata, criando um cenário paradisíaco.

Ouzoud Marrocos

Ouzoud Marrocos

O que visitar nas Cascatas de Ouzoud: garganta do el-Abid, “aldeia berbere” (ou “aldeia mexicana”), barragem Bin el Ouidane.

12-Volubilis:

É uma antiga cidade romana que prosperou devido aos terrenos férteis da região, que permitia o cultivo de oliveiras. A cidade foi destruída por um grande terramoto no século XVIII, mas foi mais tarde reconstruída e reconhecida como Património Mundial da UNESCO. Fica perto de Meknes entre Fez e Rabat.

O que visitar em Volubilis: Basílica, Arco do Triunfo, Arco de Caracalla, ricos painéis de mosaicos no piso.

13-Oualidia:

Visitar Oualidia

Visitar Oualidia

Fica na costa atlântica a cerca de 180 Km quer de Marraquexe quer de Casablanca. Esta pequena vila é muito procurada pelos Marroquinos como estância balnear. Tem uma lagoa que forma uma meia-lua e uma paisagem idílica de mar, lagoa e extenso areal dourado. Para além do turismo a pesca é a principal actividade e as ostras são conhecidas como as melhores de Marrocos.

Oualidia Marrocos

Oualidia Marrocos

O que visitar em Oualidia: praia, lagoa, observação de pássaros, desportos aquáticos (surf, windsurf), provar as famosas ostras.

14-Vale do Ziz:

O Vale do Ziz começa no Médio Atlas em direcção à cidade de Er- Rachidia e estende-se por mais 100km para sul até às dunas de Erg Chebbi. Erg Chebbi é o principal destino de muitos turistas que atravessam o vale do Ziz. A vasta extensão de dunas douradas ou avermelhadas, consoante a luz, são o cenário perfeito para um passeio de camelo. Ao longo do vale corre o rio Ziz e em volta aglomeram-se imponentes palmeirais. Esta zona é muito rica em Tâmaras, pelo que em Outubro acontece o Festival da Tâmara em Erfoud.

O que visitar no Vale do Ziz: casbah Ifri, Erg Chebbi, festival da Tâmara de Erfoud, Sijilmassa.

15-Casablanca:

Casablanca é talvez a cidade Marroquina mais conhecida internacionalmente, devido ao filme dos anos 40 com o mesmo nome. É uma cidade moderna e cosmopolita, o centro da actividade económica e industrial do país, com um importante porto comercial. A arquitectura da cidade revela a influência francesa, com belíssimos exemplos de Art Deco e com longas e largas avenidas. Os edifícios são, em regra geral, brancos dai o nome da cidade. A Mesquita Hassan II é o monumento mais emblemático da cidade, com toda a sua imponência a entrar pelo oceano Atlântico.

O que visitar em Casablanca: Arquitectura Art Deco no cento da cidade, Praça Mohammed V, Mercado Municipal, Catedral Notre Dame de Lourdes, Avenida da Corniche, Mesquita Hassan II, Morocco Mall, Musee Abderrahman Slaoui, Praia Ain Diab, Museu do Judaísmo, Medina Antiga, Villa des Arts de Casablanca, Farol Phare d’el Hank, Mesquita Al Qods, Place des Nations Unies, Edifício do Cinema Rialto, Mausoléu de Sidi Abderrahmane, Palácio Real de Casablanca, Mahkama du Pacha, Parc de la Ligue Arabe, Dar Al Ala, Câmara Municipal de Casablanca (prefeitura).

16-Asilah:

Ou Arzila, fica a cerca de 40km a sul de Tanger junto à costa Atlântica. É uma conhecida estância balnear para os marroquinos. A influência da ocupação portuguesa no século XV é visível na arquitectura da cidade. Em volta da medina ergue-se a muralha construída pelos portugueses. Numa das portas – Bab Al Homar – podemos ainda ver o brasão de armas de Portugal.

Asilah: Bab Al Homar, Bab Al Kasbah, muralhas, Medina de Asilah, Palácio Raisouli, praias, Festival de Asilah, Centre de Hassan II, Igreja de São Bartolomeu, pinturas murais.

17-Meknes:

É considerada uma das cidades imperiais de Marrocos pela sua importância histórica, tendo mesmo sido capital do império durante o reinado do Sultão Moulay Ismail. O centro histórico da cidade está classificado como Património Mundial da UNESCO. A porta da cidade – Bab Mansour – é umas das portas mais bonitas da arquitectura marroquina, sendo um dos grandes ex-libris da cidade.

O que visitar em Meknes: Medina de Meknes, Mausoleum of Mouley Ismail, Bou Inania Medersa, Bab Mansour, Mausoleum Moulay Ismail, Museu Dar Jamai, Praça El Hedim, Universidade Moulay Ismail, Sahrij Swani, Volubilis, Moulay-Idriss.

18-Azrou:

É uma cidade da região de Meknès-Tafilalet, no Médio-Atlas, metida no vale do rio Tigrigra. Esta cidade é a capital da tribo berbere Beni Mguild, que ali se desloca para trocas comerciais. O ponto alto da vida agitada desta cidade é o mercado de terça-feira. A vista sobre o vale mostra um bonito cenário do aglomerado de casas brancas e telhados verdes.

O que visitar em Azrou: Mercado de Terça-Feira Parque Nacional de Ifrane, Floresta do Cedro Gouraud, Ain Leuh.

19-Tetuão:

Tétouan, é uma pequena cidade no noroeste de Marrocos, entre Ceuta e Tânger. A sua medina, apesar de não muito grande é das mais bem preservadas em Marrocos. Depois da reconquista pelos espanhóis, a cidade acolheu muitos refugiados andaluzes e judeus, que deixaram vestígios na arquitectura da cidade com as suas casas brancas e baixas, em ruas estreitas que desenham um labirinto.

O que visitar em Tetuão: Medina de Tetuão, Avenida Mohammed V, Place Hassan II, Museu de Arte Moderna de Tetuão, Museu arqueológico, Museu Etnográfico, Dar Lebadi, Bab el Okla, Curtumes de couro, bairro judeu, Palácio Real, Igreja da Nossa Senhora de las Victorias.

20-Tafraoute:

É uma vila que fica no bonito vale Ameln na região do Anti-Atlas. Aqui predominam as formações rochosas em granito rosa, que conferem à paisagem uma beleza invulgar. As encostas áridas com os seus casbás quase camuflados, contrastam com o grande oásis que se estende no vale.

O que visitar em Tafraoute: vale dos Ameln, Cabeça do Leão, Chapéu de Napoleão, prática de escalada.

21-Taroudannt:

Fica no sul de Marrocos a 80km de Agadir. É conhecida pelas semelhanças com Marraquexe, mas em ponto pequeno. O comércio e a agricultura são as principais actividades económicas. Nos mercados diários e semanais vende-se de tudo sendo que os diferentes mercados são especializados em determinados produtos, como por exemplo, no mercado berbere vende-se sobretudo especiarias, frutos secos e têxteis.

O que visitar em Taroudannt: Jnane al-Jaami (mercado berbere), souk (mercado) árabe, mercado de domingo, mercado municipal (coberto), comprar óleo de argan, comprar amlou (mistura doce com pasta de amêndoa, óleo de argan e mel), visitar uma cooperativa artesanal de óleo de argan, muralhas da cidade, curtumes.

22-Tânger:

Localiza-se no ponto mais noroeste de Marrocos junto ao estreito de Gibraltar que separa o Oceano Atlântico do Mar Mediterrâneo. Pela sua localização geográfica foi sempre um território com grande importância estratégica, tendo sido alvo de disputa entre povos. Os Portugueses tentaram conquistar a cidade por 3 vezes, mas sempre sem sucesso, a sua ocupação deu-se quando o povo, receando as investidas dos descobridores portugueses, se rendeu. A cidade mantem os vestígios da ocupação portuguesa através da sua arquitectura, sendo disso exemplo a fortaleza. Tânger conserva um estilo de vida tradicional na zona antiga da cidade e uma parte nova, em franco desenvolvimento e modernização.

O que visitar em Tânger: medina, praça, mesquita central, casbah, Parc Perdicaris, Cinema Rif, Gruta de Hércules, Dar el Makhzen, Cabo Espartel, Cabo Malabata, Igreja Notre-Dame de l’Assomption, Igreja Saint-Andre, Grand Socco, Jardim Mendoubia, Museu American Legation, Ville Nouvell, mercados Salaheddine e El Qualili, Café Hafa,

23-Sefrou:

É uma vila berbere situada a cerca de 30km sudeste de Fez. O seu nome significa esconderijo em berbere e serviu de facto de refúgio aexilados políticos e religiosos. Foi o principal centro de ocupação judia em Marrocos e ainda conserva um grande bairro judeu de ruas muito estreitas e labirínticas, num amontoado de casas desalinhadas. A região envolvente da cidade é rica em termos naturais, com floresta, grutas e cursos de àgua, com bonitas cascatas.

O que visitar em Sefrou: medina, cascatas, festival das cerejas (em Junho), festival das maçãs (em Midelt), Mellah (bairro judeu).

24-Imilchil:

Fica no Alto-Atlas e congrega várias pequenas aldeias berberes com poucos habitantes e de difícil acesso. O festival dos noivos é o principal acontecimento cultural nesta aldeia que é também dos festivais mais importantes em Marrocos. Durante três dias, no final de Setembro, Imilchil enche-se de música, dança e muita cor. É um evento cultural muito rico que dá a conhecer a cultura berbere através da sua música e folcrore.

O que visitar em Imilchil: moussem (festival) dos noivos , Lago Islit (Lago do noivo), Lago Tislit (Lago da noiva) , mercado, grutas de Akhiam, cataratas de Agouni, gargantas do Ziz e casbás.

25-Erfoud:

A cidade localiza-se perto de Er-Rachida na margem do rio Ziz, a cerca de 60km a norte de Erg Chabbi. Pela proximidade do deserto é um ponto de passagem de turistas que se dirigem para as dunas de Merzouga. A paisagem rochosa é amenizada pelo extenso oásis de palmeiras, responsáveis por uma grande produção de Tâmaras. Todos os anos no final das colheitas (Outubro) tem lugar o festival das Tâmaras, um evento cultural que atrai muitos turistas e onde se pode conhecer tradições seculares e a cultura destes povos berberes. Nesta região extrai-se um tipo de mármore raro: negro com fósseis.

O que visitar em Erfoud: mercado central, miradouro no topo do Borj, mercado matinal de Sábado, festival das Tâmaras, Casbá Maadid, carriere des fossiles (jazidas de fosseis).

26-Rissani:

Ou Moulay Ali Cherif, fica a meio caminho entre Erfoud e as dunas de Erg Chebbi. É a última cidade de maior dimensão antes de chegar ao deserto. Era portanto um importante ponto de passagem de caravanas de camelos que faziam a Rota do Sal. Os edifícios têm um bonito tom cor-de-rosa e a porta da cidade é um belíssimo exemplo das típicas portas das cidades marroquinas, com azulejos e telhas verdes. Em redor de Rissani há muitos casbás e oásis para explorar.

O que visitar em Rissani: mercado central (principalmente à quinta-feira e Domingo), porta da cidade, rota turística dos casbahs, mausoléu Moulay Ali Cherif, ksar Moulay Ismaïl, Ksar El Fida, ruínas de Shijilmassa, carriere des fossiles (jazidas de fosseis).

27-Zagora:

Zagora é uma cidade no vale de Draa, no sopé da montanha Zagora. Fica às portas do deserto e a tal como outras cidades desta região, apresenta uma cor rosa/avermelhada. Fora da cidade pode-se visitar vários casbás. Existe uma placa muito emblemática que marca a distância entre Zagora e a cidade de Timbuktu – 52 dias de camelo. Esta placa remonta à conquista de Timbuktu pelos Saadianos no século XVI.

O que visitar em Zagora: porta da cidade, dunas de Tinfou, placa 52 dias de camelo até Timbuktu, mercado (quarta-feira e domingo), Ksar Tissergate, Amezrou, Musée des Arts et Traditions de la Valleé du Drâa.

28-M’Hamid El Ghizlane:

Dromedários em Mhamid Marrocos

Dromedários em Mhamid Marrocos


Anteriormente chamada de Taragalte, M’Hamid é uma cidade rural marroquina perto da fronteira da Argélia na província de Zagora. A parte antiga de M’Hamid El Ghizlane é muito típica com arquitectura do deserto do Saara.

A cultura dos seus habitantes é única em Marrocos devido às suas tribos árabes beduínas. Esta povoação já foi um estágio importante no comércio trans-saariano e trocas comerciais entre a Europa, Marrocos e África subsaariana. Na actualidade tornou-se um ponto de partida para excursões para o deserto, incluindo as dunas de Erg Chegaga. M’Hamid El Ghizlane tem um oásis com um palmeiral que se estende pelo Oued Draa, entre as aldeias de M’Hamid Bali e M’Hamid Jdid.

O que visitar em M’Hamid El Ghizlane: Festival Taragalte do deserto, M’Hamid Bali, M’Hamid Jdid, excursões e pernoitação em acampamento do deserto, Dunas de Chegaga, oásis, palmeiral.

29-Nkob:

É uma vila no sul de Marrocos capital da tribo Ait Atta, uma das mais antigas de Marrocos. O denso palmeiral que alimenta a cidade contrasta com a paisagem extremamente árida ao longo da estrada que liga Nkob a Tassarine no sul, e com os picos do Jbel Saghro que se erguem imponentes na paisagem. A não perder a vista panorâmica da vila sobre o palmeiral.

O que visitar em Nkob: villa, palmeiral, mercado, os 45 casbás.

30-Taza:

Taza separa duas cadeias montanhosas o Riff a norte e o Médio-Atlas a sul. Esta estreita faixa de planície onde fica a cidade é chamada de corredor ou passagem de Taza. A cidade antiga fica numa zona mais elevada da cidade e dentro das muralhas da antiga fortaleza que serviu de protecção durante séculos às investidas dos invasores. Na planície fértil, aos pés da cidade antiga, estende-se a parte nova da cidade, moderna e em desenvolvimento. Para chegar à Bab Jamaa, a porta principal da muralha da cidade velha, há que subir uma extensa escadaria cravada na encosta, mas o acesso é fácil pois a inclinação é ligeira.

O que visitar em Taza: Praça de Armas, Mesquita Grande (ou Mesquita dos Al-Andaluzes), mercado dos cereais, Parque Nacional de Tazekka, Gruta Friouato, Ras-El-Ma, Bab Marzouka,

31-Tineghir:

É um impressionante oásis que serpenteia ao longo do rio Todra. Estende-se por cerca de 30 km de comprimento e com 4km de largura criando uma faixa que corta a paisagem de cor avermelhada dos terrenos e, também das construções à sua volta. A melhor vista panorâmica sobre a cidade consegue-se subindo a colina N’Mehalt Ighir. Tineghir recebe muitos turistas, para além de ser um dos maiores oásis da região, fica na rota dos mil casbás, entre as gargantas do Todra e as dunas de Merzouga (Erg Chebbi).
O que visitar em Tineghir: cidade, casbás, oásis, mercado de Domingo, desfiladeiro das Gargantas do Todra.

32-Agdz:

Agdz significa lugar de repouso. Como ficava na rota das caravanas que se deslocavam entre Marrakesh e Timbuktu era, certamente, local de paragem. Situa-se no vale do Draa a cerca de 65 km a sul de Quarzazate. É uma cidade típica desta região, com os seus edifícios de cor ocre que se confundem na paisagem. Como pano de fundo à cidade, destaca-se a montanha Jbel Kissane que consoante a luz que nela incide pode parecer de várias cores. Pode inclusivé, parecer branca como se tivesse neve. A não perder uma vista sobre a montanha ao pôr-do-sol.

O que visitar em Agdz: forte, palmeiral, mercado às quintas-feiras, cásbah Tamnougalt, pôr-do-sol sobre o Jbel Kissane.

33-Safi:

É uma cidade na costa Atlântica mais ou menos a meio entre outras duas importantes possessões portuguesas na costa de Marrocos: Mogadouro a sul,e Mazagão a norte. Tal como essas duas cidades também Safi foi ocupada pelos portugueses que estabeleceram aqui um importante entreposto comercial. A importância do seu porto marítimo mantem-se até hoje, sendo uma porta de saída das exportações de fosfato (maior exportador mundial) e outros produtos químicos. Apesar da importância desses produtos na economia local, Safi é sobretudo conhecida como a capital da sardinha e da cerâmica. Da ocupação portuguesa persiste o Castelo do Mar com a sua muralha em volta da cidade antiga e vestígios da Catedral, que é hoje museu. O Castelo do Mar é uma imponente construção e no seu interior podemos ainda ver alguns canhões do tempo dos portugueses. Para além do interesse histórico desta cidade, há também um atractivo mais lúdico, as praias e sobretudo as boas condições para a prática de desportos náuticos como surf, windsurf e kitesurf.

O que visitar em Safi: Castelo do Mar, canhões, medina, ceramica, praia Sidi Bouzid (destino de surf)

El Jadida: informação brevemente…

Laayoune: informação brevemente…

Dakhla: kitesurf, lagoon, moto 4, windsurf, baía de Dakhla, Parque Nacional de Dakhla, praias, mercado central.

Boujdour: farol.

Boumalne Dades: informação brevemente…

Ifrane: informação brevemente…

Procure alojamento em Marrocos:

Booking.com